Capítulo Cinqüenta e Sete – A arte de esperar

terça-feira, 31 agosto 2004 § Deixe um comentário

Quarenta e quatro minutos adiantada. Tá certo que ela gosta de ficar pronta mais cedo, mas assim já é demais. O jeito é arranjar algo pra fazer enquanto espera. Nada na tv. Trinta e sete minutos. Nenhum livro interessante, nenhum cd que ela já não tenha cansado de escutar. Trinta e um minutos. Se o relógio fosse um desses antigos, podia pelo menos acompanhar o ponteiro dos segundos dando uma volta depois da outra, mas o rádio-relógio que fica do lado da cama apenas pisca irritantemente os dois pontos que ficam entre a hora e os minutos. Ela aproveita para arrumar o guarda-roupa e acaba se detendo com uma carta perdida dentro do bolso de uma jaqueta. Quatro minutos. Ainda bem. Quase na hora. Um minuto. Ele bem que podia chegar mais cedo.
Dois minutos de atraso. Ela olha pela fresta na cortina, verifica o relógio de novo, morde os lábios. Suspira. Cinco minutos. O tempo passa muito muito muito mais devagar quando a gente tá esperando alguém. Muito mais devagar. Muito. Oito minutos e nem sinal de vida daquele canalha. Sempre atrasa. Passos nervosos de um lado para o outro não conseguem afastar a tensão.
Quinze minutos já é demais! E o maldito nem pra telefonar avisando onde tá. A hora que ele chegar vai ver só uma coisa. Vinte e dois minutos, um copo d’água, ida ao banheiro, retocar o batom. Trinta e quatro minutos e ela arrancaria os cabelos se não tivesse ficado tanto tempo arrumando eles. Quarenta e sete minutos é o meu limite! Desisto, vou trocar de roupa. Uma hora e três minutos, dormiu no sofá, a tv ligada e nada de bom passando. Pelo menos já tava de pijama. Uma hora e cinquenta e cinco minutos. A campainha toca, ela acorda assustada, a primeira coisa que faz é olhar o relógio. Uma hora e cinquenta e cinco minutos de atraso. Foi a gota d’água. Dessa vez ele vai ter o que merece. Abre a porta, já está pronta pra dizer poucas e boas pra ele:
-Ué, não tá pronta ainda? – ele pergunta.

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para agosto, 2004 em o projeto sem nome.

%d blogueiros gostam disto: