Capítulo Trinta e Nove – Um pouquinho de dignidade

sábado, 27 setembro 2003 § Deixe um comentário

Maria da Felicidade estava lavando a roupa quando ouve alguém bater palmas no portão da sua casa. Enxuga as mãos e vai atender quem quer que seja.
-Bom dia.
-Bom dia.
-Eu faço parte de uma associação que cuida de pessoas necessitadas. A senhora não teria alguma coisa pra nos ajudar? Roupas, alimentos?
-O senhor vai me desculpar, mas sabe como é… eu tô desempregada há três meses e as crianças dão uma despesa danada…
-Nem mesmo um calçado que não sirva mais nos seus filhos?
-Eu ficaria muito grata em ajudar, mas…
-Se não for muito incômodo, gostaria de pedir mais uma coisinha…
-Se for de graça…
-Bom, dinheiro não custa…. eu queria saber se a senhora não teria aí um pouquinho de dignidade?
-Tenho não, meu marido levou o pouco que eu tinha quando foi embora com aquela vagabunda…
-Esperança então, nem pensar…
-O que eu tenho mal dá pra todos meus filhos…
-Olha, se a senhora quiser, posso te dar o endereço da nossa associação para podermos te ajudar com qualquer coisa que precise…
-Imagina moço, eu não teria coragem de tirar a ajuda dos outros que tão precisando mais que eu…

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para setembro, 2003 em o projeto sem nome.

%d blogueiros gostam disto: