Capítulo Doze – Caçador de Borboletas

quinta-feira, 24 abril 2003 § Deixe um comentário

A criatividade é algo que vem quando menos se espera. Não adianta forçar, não adianta fingir que não tá nem aí, nem adianta ficar falando sobre isso.
Acontece assim: você está lá, sossegado e de repente: bum! Uma grande idéia aparece (talvez nem tão grande, mas depois de ficar tanto tempo procurando algo, qualquer coisa parece a melhor coisa do mundo, pelo menos por um tempo).
É fato conhecido que nenhum artista trabalha bem sob pressão. Depois da idéia, vem a hora de colocá-la em prática e isso exige muito esforço, que não é nada sem aquele estalo inicial no cerébro, que é como aquela lâmpada que se acende na cabeça dos personagens de desenhos animados, aquilo que te acorda no meio da noite e te faz levantar da cama pra anotar por medo de esquecer. Pois nunca se deve se disperdiçar uma boa idéia, que é como uma borboleta, vem à sua cabeça e se não apanhá-la ela foge e quando volta está velha e desbotada.
Depois de apanhá-la é preciso colocá-la numa moldura bem bonita e mostrar pra todo mundo. Assim, que nem eu fiz…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Capítulo Doze – Caçador de Borboletas no o projeto sem nome.

Meta

%d blogueiros gostam disto: